Solo e Adubação para Suculentas

A Vermiculita é um condicionador de solo, em outras palavras, melhora a estrutura do solo. (vermiculita é uma argila 2:1 que se expande!).

Suas princípais funções são:

  • dar melhor estrutura ao solo ou substrato,
  • reter a água e os nutrientes quando esses estiverem em excesso e liberá-lo quando a planta ou semente necessitar para seu pleno desenvolvimento ou germinação.

Assim, ela deve ser usada com cuidado em suculentas pela seguinte razão: como um das suas características é funcionar como uma “esponja”, armazenando água, ela pode não dar para as suculentas aquele período de seca que elas precisam.
As suculentas não irão morrer se você utilizar a Vermiculita.
Até pelo contrário.
Mas elas poderão se “descaracterizar”, ou seja, não ficarem com o caule tão gordinho (caso dos Pachypodim’s – Palmeira de Madagascar), ou ficarem com as folhas mais finas (caso dos Kalanchoe’s).
Podem também ficar mais “desbotadas”.

Por outro lado, podem ajudar os cactos de Mata Atlântica, como os Rhipsalis (regas frequentes, copiando o regime de chuvas da Mata), e o Senecio rowleyanus, que tbm é mais exigente em água, mas se for regado com frequência, costuma melar. Sobre a areia, o que eu falo é o seguinte: se for usar areia, use areia lavada, e aqueles grãozinhos mais grosseiros, que ficam depois que passam na peneira de construção.

E, se usar areia, reforce a adubação do plantio e de cobertura, porque a areia “empobrece” o substrato, uma vez que não fornece nutrientes.

Há 21 anos, quando começamos a trabalhar com suculentas eu usava fibra de xaxim para melhorar a estrutura, aeração e drenagem do solo.

Depois que foi proibido o uso do xaxim eu comecei a usar púmice (de predra pome), que já era muito utilizada na Europa.
Mas ficava muito caro importar. Púmice é derivada de rocha vulcânica.

Pesquisando alternativas descobri a Perlita, que também é uma rocha vulcânica que levada em fornos a altas temperaturas estoura igual pipoca.

Pode-se usar fibra de côco ou casca de Pinus na mistura.


A fibra tem que ser bem lavada por causa do tanino.
Como esses materiais são inertes, não fornecem nutrientes para as plantas deve-se usar macro e micronutrientes na adubação.

Lembrem-se: as suculentas, regra geral, são plantas de região seca.
Seca quente ou seca fria.
E nesses locais, o regime de chuvas costuma ser assim: tempestades e depois um logo período de estiagem.
Eu procuro seguir, mais ou menos, esse ensinamento da natureza.

As suculentas, por serem de regiões áridas (pouca chuva) os solos normalmente são muito férteis. Especialmente onde encontramos os cactos.

Eles são muito exigentes em fertilidade. Então, lembrem-se, as suculentas não são exigentes em regas constantes, mas são exigentes em adubações frequentes.

Bom, adubação é um caso a parte e deve ser feita com cuidado, especialmente se o formulado tiver muito nitrogênio.
Então fórmulas como do osmocote 14-14-14, não são boas, ou melhor, não são ideais para as suculentas.
Para quem não conhece bem adubos formulados, o primeiro 14 é o N (nitrogênio), o segundo 14 é o P (fósforo) e o terceiro 14 é o K (potássio).
O fósforo deve ser usado de preferência no plantio, pq favorece o enraizamento das mudas.
O nitrogênio, deve ser usado após o “pegamento”, para o desenvolvimento foliar, se for o caso.
E em pouca quantidade.
Na natureza, grande parte do nitrogênio, é fornecido com as chuvas, que no caso das suculentas, onde elas aparecem são escassas, ou é fornecido pela matéria orgânica, que tbm não é encontrada em grande quantidade nas regiões que crescem as suculentas.
O potássio é muito importante no acúmulo de açúcares paras as plantas, “engrossamento” das folhas, na sua coloração.
Esse “endurecimento” da plantas faz com que elas fiquem menos sujeitas ao aparecimento de doenças.

dúvidas? ligue no nosso wpp (38)998105590

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *